A carregar Eventos
  • Este evento já decorreu.
// 14 Fev  2019
Categoria de Evento:
18:30 - 19:30

Quando se juntam a voz de soprano e um piano ao carisma da música espanhola, logo se adivinha melismas torneados, ritmos enérgicos e melodias resolutas, carregadas de sentimento. Este é um cartão postal que nos remete de imediato para a identidade cultural do país vizinho. Isolada da tradição musical cigana e dos vilancicos renascentistas, de onde provém, tal sonoridade serviu desde o século XIX propósitos nacionalistas, ora de pendor épico ora nostálgico, mas também alimentou um gosto pelo exotismo que durante largas décadas fascinou a Europa, em particular em França e na Rússia. Este programa constrói-se em torno de alguns exemplos que ilustram esse imaginário, muito embora não se limite nos arquétipos mais evidentes. Percorre peças vocais emblemáticas dos catálogos de Enrique Granados e de Manuel de Falla, para lá das sonoridades reminiscentes de uma música antiga idealizada, em quatro canções de amor de Joaquín Rodrigo, e de um primoroso exercício vocal do francês Maurice Ravel. Ao piano, a solo, temos a oportunidade de escutar o célebre Tango composto em 1890 por Isaac Albéniz, aqui em diálogo com uma homenagem que foi dirigida a este compositor pelo russo Rodion Shchedrin, em 1961. Pelo meio, e em jeito de entreatos, surpreende-nos o timbre inconfundível da trompete, com duas obras de Eugène Bozza, referência incontornável do repertório para instrumentos de sopro no século passado.