A livraria Ler Devagar, situada na LxFactory, em Alcântara, comemorou o vigésimo aniversário, no dia 17 de Junho. Devido à sua arquitetura e decoração únicas, foi considerada pela revista Time Out Lisboa, em março de 2019, como uma das melhores livrarias independentes em Lisboa.

Por Bebiana Martins e Sara Sampaio Silva

Para criar um espaço inovador, não é preciso muito. Com uma velha rotativa, uma bicicleta voadora e paredes cobertas de livros, assim se construiu a livraria Ler Devagar na LX Factory.

Com cerca de 600m2 de área, a livraria foi construída no espaço anteriormente ocupado pela Litografia de Portugal, que imprimiu os primeiros exemplares do jornal Expresso. No espaço amplo, com uma grande escadaria e plataformas de metal, a livraria ainda preserva o ar industrial da antiga gráfica, da qual ainda se pode observar a grande rotativa presente no segundo andar do edifício. De acordo com João Seixas, administrador da livraria, a rotativa foi mantida pela sua beleza e ligação ao passado. Afirma ainda que a criação deste ambiente é importante, porque “os novos espaços de impressão são espaços de pensamento”.

Sobre a rotativa, encontra-se o atelier do artista residente da livraria, Pietro Proserpio, o qual se instalou na Ler Devagar em 2009, onde lhe foi cedido o espaço para exibir as suas construções. Desde então que decora o seu interior com as suas peças cinemáticas, “semelhantes aos [objetos] desenhados por Leonardo DaVinci, semi-adaptados aos dias de hoje”, afirma João Seixas. Entre elas, encontra-se um dos elementos mais emblemáticos da Ler Devagar: a Bicicleta Voadora, que se encontra suspensa sobre o primeiro piso, que reflete uma silhueta sentada numa bicicleta com asas, que se movem a um ritmo constante.

Este espaço caracteriza-se pela diversidade de momentos que proporciona aos seus visitantes. Pode ser uma livraria de fundos, com cerca de 240 mil livros novos e de alfarrabista à escolha. Para quem preferir, pode funcionar como uma biblioteca. Os sofás e cadeiras espalhados pelos 4 pisos enchem-se diariamente de pessoas que vão estudar, trabalhar ou simplesmente ler um livro.

No entanto, a Ler Devagar é “um centro cultural, não apenas uma livraria”, nas palavras de João Seixas. No primeiro e segundo pisos, existem dois espaços de convívio à volta de balcões de cafés, onde são servidas comida e bebida, importantes para o espaço, principalmente em termos de rentabilidade. No último piso, ao lado das criações de Pietro Proserpio, localiza-se um espaço dedicado à arte, onde artistas independentes são livres de dispor as suas peças para apreciação do público, e possível venda.

No site da livraria, é possível visitar virtualmente o espaço criado pelo grupo Aurora Arquitectos, através de uma experiência em 360º. De cada um dos 4 pisos, podem ver-se os 450m2 de paredes preenchidas pelas prateleiras que as atravessam e enchem de livros.

A Ler Devagar teve origem no Bairro Alto, em 1999, e percorreu diversos caminhos até chegar às suas atuais instalações. Foi em Alcântara, no complexo industrial que se posiciona como “ilha criativa”, que a Ler Devagar foi convidada a construir as instalações que atualmente ocupa.

Pela sua estética fora do comum, a Ler Devagar já foi mencionada em vários segmentos de jornais internacionais, como o NYT e o Globo. Segundo João Seixas, todo o espaço foi pensado para transmitir a seguinte mensagem aos seus visitantes: “o futuro depende da cultura, e de uma cultura aberta, sempre questionante e sempre em construção”.