Autor

Max Stirner

Sinopse

Em O único e a sua propriedade, Stirner insiste que tanto a língua como os argumentos devem servir aos fins individuais baseados na experiência de cada um. Ele apresenta três etapas da experiência humana: a realista (da infância até a descoberta da mente e a libertação das imposições, inclusive familiares), a idealista (da juventude, condicionada espiritualmente por outras forças) e a adulta ou egoísta (do indivíduo livre de forças internas e externas). O crescimento individual é análogo ao histórico, passando este pelas mesmas etapas: antiga, ou do mundo pré-cristão; moderna, ou do mundo cristão – a que Stirner mais desenvolve, apontando os males do catolicismo e do protestantismo –; e do mundo futuro.

Max Stirner, pseudônimo de Johann Kaspar Schmidt (Alemanha, 1806-56). Filósofo e professor em cujos escritos se inspiraram ideologicamente muitos anarquistas dos séculos XIX e XX, os existencialistas do novecentos e, hoje, certas tendências do pós-estruturalismo. Stirner acreditava não existir realidade social objetiva independente do indivíduo, sendo que as classes sociais, o Estado e a humanidade não passariam de abstrações. Via no ego empírico (autoconsciente e “egoísta”) o móvel para qualquer ação humana. A partir de 1844, data da publicação de sua obra principal, O único e a sua propriedade, prevendo as controvérsias que suscitaria, abandonou o ensino e passou o resto da vida em graves dificuldades financeiras.

Esgotado